Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Conceito de suficiente

24.01.15publicado por Gato Pardo

Ultimamente tenho sido abordado por muitas pessoas em busca de conselhos e todas elas parecem estar com dificuldades em lidar com o conceito de suficiente.

Quando é que se é boa pessoa o suficiente?

Quando é que se é feliz o suficiente?

Serei magro o suficiente?

Curiosamente ou não, todas essas pessoas questionaram esse conceito porque outras pessoas o questionaram nelas. Primeiro que tudo, é admirável haver tanta gente ocupada com a vida alheia ao ponto de se preocuparem com aspectos que não lhes dizem respeito. Segundo, o conceito de suficiente é das coisas mais ambíguas que existe. O que para uns é uma vida plena, para outros é uma pobreza extrema. Terceiro, quando chegamos ao ponto de nos questionarmos sobre nós mesmos baseados em meras opiniões de quem verdadeiramente não nos conhece, é uma red flag.

O mundo está repleto de opiniões, comentários e notas de rodapé proferidas ao sabor do vento. Algumas dessas dissertações alheias serão válidas e serão lições a reter. Outras serão apenas maldosas e serão igualmente lições a reter. Mas nenhuma das duas serão alguma vez o todo de cada um de nós.

Suficiente. Conceito interessante. Todos mudamos com o passar dos anos. Crescemos, tornamo-nos mais cientes do que nos rodeia, das consequências das acções, das pessoas que desejamos ser e as pessoas que olhamos no espelho todas as manhãs.

E quando é que o que somos é suficiente?

Não é. Mas isso não nos torna más pessoas. Torna-nos apenas seres ávidos de beber um pouco mais de vida no da seguinte, um dia de cada vez. E crescer no processo. Mas por opção própria, nunca por vontade dos outros. Se assim for, não passamos de ovelhas e iremos acabar todos iguais uns aos outros. Por esse ponto de vista, serei sempre o Lobo Mau da história. Não me vergo a vontades alheias, desejos, caprichos ou psicologias ultrapassadas.

Eu, sou boa pessoa o suficiente? Não, mas hoje sou boa pessoa quanto baste.

Sou feliz o suficiente? Sou feliz quanto baste.

Sou magro o suficiente? 69kg. É o meu número mágico e estou feliz quanto baste.

Amanhã logo vejo. Pode ser que o suficiente de hoje, amanhã não seja mais. E que assim seja. É sinal que se deu um passo em frente.

Profiro a mesma frase há muitos anos e o seu significado continua tão acertado quanto coerente.

As terceiras pessoas do plural do verbo da minha vida não definem a primeira pessoa do singular que eu sou. É o meu verbo.

 

1 comentário

Comentar este post